terça-feira, agosto 26, 2008

quem não tem que fazer...

(Agosto de 2008)
... faz colheres, diz o povo...
A galinha da vizinha fica melhor na cozinha.
Boda molhada, noiva ensopada.
Burro velho não toma andadura. Se a toma, pouco madruga.
Casa onde não há pão, todos se rebolam no chão.
Dá Deus nozes conforme as posses.
De pequenino, se aprende o caminho.
Entre marido e mulher, não há como escolher.
Gordura é desmesura.
Grão a grão se vai sujando o chão.
Guardado está o bocado para quem for mais avisado.
Há males que ninguém tem.
Há mar e mar, há rir e troçar.
Ladrão que rouba ladrão acrescenta o quinhão.
Merenda comida, mesa vazia.
Mudam-se os tempos, ganham-se vontades.
O que não mata farta.
Quem tudo quer tudo tem.
Tão ladrão é o que vai à horta como o que rouba a torta.
Tão ladrão é o que vai à horta como o que tranca a porta.
Vale mais cair em graça do que ser desgraçado.

3 comentários:

vaandando disse...

qual deles , o mais engraçado e ás vezes bem verdadeiro ....
há muito por onde escolher ....
»a cavalo dado favas contadas»
cordialmente
JRMarto

Blimunda disse...

Conheço variantes de alguns deles:
boda molhada, boda abençoada; tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta; ladrão que rouba ladrão, tem mil anos de perdão...
boa semana!

Anónimo disse...

Boa, boa... ainda bem k os publicast. No outro dia ouvi outros: trocar a bota pela culatra, ou sair o tiro pela perdigota, ñ são meus, mas ajudam...

Bjis

rubia