terça-feira, agosto 26, 2008

as amoras

(25 de Agosto de 2008)
O meu país sabe às amoras bravas no verão. Ninguém ignora que não é grande, nem inteligente, nem elegante o meu país, mas tem esta voz doce de quem acorda cedo para cantar nas silvas. Raramente falei do meu país, talvez nem goste dele, mas quando um amigo me traz amoras bravas os seus muros parecem-me brancos, reparo que também no meu país o céu é azul. Eugénio de Andrade, O Outro Nome da Terra
Com votos de boa semana! :)

5 comentários:

clorinda disse...

Lindo poema.
Confesso que adoro amoras!
Boa semana para aí, mais para Norte.

Kokas disse...

Aos anos que não como amoras, nem apanho! :)
Aquele bj

vaandando disse...

tão belo este poema !
e de amoras gosto destas e das outras bem gradas que se colhem da àrvore.... há muitos anos que não me delicio nem com umas nem com outras ... Cordialmente
JRMarto

eMe-a-eMe disse...

lindo, lindo, lindo.

Anónimo disse...

Só mm amoras colhidas na hora para nos esquecermos do país q temos....:)

Bjis, as melhoras

rubia