sábado, julho 05, 2008

bom fim-de-semana!

(Montesinho, Maio de 2007)
O meu olhar espera-me nas coisas,
para me olhar a partir delas
e me despojar do meu olhar.
A minha memória espera-me nas coisas
para me provar que não existe o olvido.

E as coisas apoiam-se em mim,
como se eu, que não tenho raiz,
fosse a raiz que lhes falta.

Será que talvez as coisas
também esperem por mim?

Será que tudo o que existe
se espera fora de si?

Será que afinal os meus braços
estão abertos para me abraçar?

Roberto Juarroz

2 comentários:

Anónimo disse...

Excelente, este poema de Roberto Juárroz , a lembrar Pessoa nas afirmações , dúvidas , indagações...
Excelente!
cordialmente
José Ribeiro Marto

deep disse...

Nunca tinha pensado nisso... há, de facto, alguma coisa que lembra Pessoa...