quarta-feira, junho 18, 2008

a galinha da vizinha...

(Imagem da net)

Num acto repetido, percorre os diferentes compartimentos da casa. Não sabe de onde lhe vem este vício antigo que compara àquele de, na infância, chegar a casa no fim da escola e começar a chamar pela mãe mal pisava o primeiro degrau das escadas que conduziam ao piso superior.

Entra no quarto, a que a luz coada pelas pequenas frestas das gelosias empresta a calma sonolenta de uma silenciosa tarde de Verão na aldeia. Percorre, primeiro apenas com o olhar, logo de seguida com os dedos, os livros arrumados nas estantes. Há títulos que figuram também na sua modesta biblioteca. Não sabe porque insondável motivo, os alheios exercem sobre ela outro fascínio. Faz deslizar do alinhamento um volume, depois outro. Folheia-os. "Apropria-se" de um. (A dona, por certo, não se importará.)

Gosta de livros. Não apenas pelas histórias, não apenas pelo valor das palavras. Gosta dos livros enquanto objectos. De livros brochados, de preferência. Da textura e do cheiro do papel. Da mancha gráfica. Das cores e das ilustrações. Dos textos insertos na contracapa, nas badanas, na sobrecapa. Dos livros arrumados - por temas, por autores. Dos livros desalinhados, dispostos em pilhas no chão. Até dos livros amarelecidos e empoeirados pelo tempo que o nariz rejeita com espirros, mas que a alma acolhe como tesouros respeitáveis.

5 comentários:

Anónimo disse...

Publicidade à parte já teve o prazer de sentir , o cheiro dos livros da Guimarães?... Bom espero que continuem... Cheiram a livro vivo !
cordialmente!
JRMarto

Infame da Vileza disse...

Por mais livros que tenha não sacio a necessidade que deles tenho. E os do vizinho, de facto, são mais apetecíveis.
Bjs

aflores disse...

Porque será que cheiro sempre um livro quando pego nele?...meu ou ainda na prateleira da livraria...não resisto :)

deep disse...

José Marto, já tive - e ainda devo ter - livros da editora que refere, mas não me lembro do cheiro. Hei-de reparar nisso da próxima vez que adquirir um. :)

infame, também me acontece assim. Adoro entrar numa casa onde haja livros e deter-me nas estantes. Um casa com livros - não os encadernados comprados a metro -tem outra alma. :)

aflores, também faço isso, mas tento que ninguém veja!! :)

Anónimo disse...

Tb adoro os livros, meus, da vizinha, d quem calhar... s pudesse produzi-los, era o 'sonho realizado', s ainda m posso permiti-lo...

bjis

rubia