terça-feira, junho 03, 2008

Escrever um livro, criar um filho, plantar uma árvore

Escrevi um livro. 
Quantos anos a sonhá-lo, 
A rascunhá-lo nas mesas dos cafés, 
A escrevê-lo nos intervalos do emprego, 
A vivê-lo, 
A sofrê-lo, 
Na província, nas cidades...! 

Criei um filho. 
Tanta alegria no meu coração!

Só ainda não plantei uma árvore. 
O frágil caule como protegê-lo? 
Como não deixar que os bichos 
Maculem as pequeninas folhas? 
E como dialogar com uma árvore-menina? 

Agora vai sendo tempo. 
Os anos já me pesam. 
Amanhã vou plantar uma árvore. 

Saúl Dias, Essência 

E quando temos ainda todas as etapas por cumprir e os anos começam a pesar?

6 comentários:

Wandolas disse...

Belo poema.Durante a vida adiamos tantos projectos...
Bjinhos.

elsa disse...

Não terás ainda editado um livro, mas os teus rascunhos mereciam a forma de um livro, não terás ainda tido filhos,mas fazes o papel de mãe para muitos(pensa lá!Há-de haver uma mão cheia de todos os miúdos que já passaram pelas tuas salas,a quem as tuas palavras e gestos souberam a um mimo maternal!),quanto à árvores...olha que as tuas plantas domésticas estão bem protegidas!!
As etapas da vida não iguais para todos...se calhar tens cumprido estas etapas, mas com outras tonalidades!Beijinhos e boa semana

M&M disse...

se estás a falar de mim...
: )
não estás, mas posso dizer-te que também sinto muitas vezes essa angústia, esse medo; compreendo-te bem.
mas, quem disse que a vida só tem esse sentido?
não pode ser, caso contrário havia muita gente por aí errante. não seriamos só nós.

não sei se já te deixei por aqui uma frase de tagore rabindranath ( apanhei um dia no citador)em que penso muitas vezes: se de noite chorares pelo sol, não verás as estrelas.

não é bonita?
fica bem.

poemarte disse...

Bonito poema este de Saúl Dias... Conheço pouco este poeta e só alguns poemas de uma antologia organizada por Jorge de Sena ... Vou aproveitar agora a Feira do Livro, talvez encontre mais alguma coisa ... Valeu , Deep...
cordialmente
José Ribeiro Marto

Nilson Barcelli disse...

Eu já fiz a minha parte... mas livro, não vou escrever...
Folhas soltas e já não é mau...

Beijinhos.

deep disse...

É verdade, Wandolas, vamos adiando tantos projectos, mas outros vão tomando corpo sem os pedirmos e isso também é vida.

Elsa, talvez seja tudo um pouco verdade, mas nada é por inteiro. São também os teus olhos e as tuas palavras de amiga a "pintar-me" de outras cores.

m&m, tens razão: a vida não pode ser vista como algo incompleto só porque não se seguem caminhos que a maioria considera os "certos". Embora possa parecer, nunca sonhei muito esses caminhos e a angústia só me assalta por vezes, poucas.


José Marto, o Saúl Dias, irmão do José Régio, se não estou em erro, é pouco divulgado. Conheço pouco a sua obra, mas gosto do pouco que conheço.

Nilson, estás bem perto de cumprir essa etapa que te falta e se considerarmos que nem sempre "letras são papéis", ela está, de certo modo, cumprida.

Obrigada a todos pela "companhia".

Beijos e bom resto de semana. :)