sábado, maio 17, 2008

rios de prazer

De novo o rio. À sua volta, desde a primeira vez, tudo está diferente. A Primavera exibe, agora, todo o seu esplendor. Sons, cores e aromas intensificaram-se. Ervas altas ocultaram alguns trilhos e a linha de caminho-de-ferro já sem uso. Na aldeia, uma cegonha, que ali fez ninho, desenha voos suficientemente baixos para que possamos admirá-la. As pessoas, em particular as mais idosas, aproveitando a trégua da chuva e do frio, sentam-se nas soleiras das portas, nas "escaleiras" de xisto, nas esplanadas improvisadas dos cafés ou nos bancos da praça e olham-nos curiosas. Perguntam quem e de onde somos. Aproximamo-nos. Respondem solícitas às nossas questões. Queremos saber a origem do topónimo, os lugares e edifícios de interesse, histórias do rio. Oferecem-se para nos mostrar a igreja e as várias capelas. A zeladora da capela de Nossa Senhora do Rosário mostra-nos esse espaço de culto de que é guardiã, conta-nos as histórias de algumas imagens, traz-nos um livro que integra algumas quadras que ela própria escreveu sobre a aldeia. Há quem se prontifique para ler algumas, em voz alta, ali mesmo, no centro da aldeia, junto ao coreto. Há uma senhora, já velhinha, que nos convida para um cafezinho em sua casa, apesar de sermos muitos. Sugere que passemos por lá um domingo à tarde, para o tal cafezinho e para nos contar histórias da aldeia, algumas "vermelhas" - di-lo com ar malandro. Para matar a solidão, acompanha-nos algum tempo. Das velhas casas de xisto sobram ruínas ou vestígios que coabitam com edificações modernas. As aldeias transmontanas estão descaracterizadas e, em grande parte, quase desabitadas, mas, percebi-o esta manhã, ainda não perdemos esta forma de ser hospitaleira.

2 comentários:

Infame da Vileza disse...

Fotos e palavras que descrevem uma manhã muito saborosa!
As fotos estão lindas!
Gostei muito da tua companhia.
Bjs

deep disse...

Foi uma manhã óptima... lavou-me a alma!

Obrigada... quanto às fotos. Fiz o que pude... A da cegonha é mérito teu!

Também gostei muito da tua companhia... da cumplicidade das fotos e das conversas!

Bjs e até amanhã