segunda-feira, abril 21, 2008

pequenos-grandes prazeres

Há dias, a pretexto de uma tertúlia, juntámo-nos em volta de frugal mesa. Regadas de bom vinho tinto e de sumo, para quem não aprecia o néctar dionisino, as palavras fluiram em rio morno e caloroso, espevitadas, de quando em vez, por genuínas gargalhadas, enquanto a comida, sem protesto, se ia deixando deglutir.
Na hora do queijo, dos doces e da fruta, convocámos os poetas, que, alternada e repetidamente, se foram revelando.
O telurismo de Torga, o sentido de justiça e o mar de Sophia, a rebeldia de Campos, a ironia de O'Neill e de Sá-Carneiro, a nostalgia de Al Berto e de Yeats, o amor-entrega/ sofrimento de Maria do Rosário Pedreira e o amor-fidelidade de Vinicius não podiam combinar melhor com os sabores de tão mundano manjar, que foi, sem que nos apercebessemos, roubando horas à madrugada e ao sono.
No final, congratulamo-nos dessas horas de entrega, da conversa amena e fácil, da boa disposição... de todos esses pequenos-grandes prazeres de que, com o tempo, nos temos vindo a privar e a que - soubemo-lo então - havíamos perdido o gosto.
À anfitriã, agradecemos o jantar e tão feliz ideia. Ficou a promessa de uma repetição... talvez ao ar livre, em lugar aprazível.
P.S. - Faltou-me o Eugénio... imperdoável esquecimento que alguém compensou sem que o soubesse.

4 comentários:

bigeoculto disse...

Tive algum receio que a "crise bloguista" me privasse de tão belas e sentidas palavras.
Ainda bem que a vírgula não foi ponto final.
Bjs
Sandra

Carla disse...

Como gostaria de ter estado presente. Temos tertuliana :) Beijo

wandolas disse...

Que noite agradável. Agrada me esse tipo de convívio...
Bjinhos.

deep disse...

Sandra, ainda que o não tivesse escrito, penso que, naquela noite, os rostos e o "prolongamento" disseram muito, ainda que não tudo... por isso escrevi! :)

Carla, aventura-te até cá em cima e terás lugar na nossa "mesa"!

Wandolas, nem imaginas como me fez bem uma noite assim!