sexta-feira, janeiro 11, 2008

questionar o inquestionável?

Ontem, veio parar-me às mãos Ensaios de Amor de Alain de Botton - um ensaio em forma de romance (ou um romance que se socorre do tom e da forma do ensaio), em que o autor, num discurso de primeira pessoa, procura explicar o amor por rigorosas fórmulas matemáticas e sob a luz de teorias filosóficas. 


Apaixonamo-nos seguros de que não vamos encontrar no outro aquilo que sabemos existir em nós, cobardia, fraqueza, preguiça, desonestidade, acomodação e estupidez. Lançamos um laço de amor em volta do ente escolhido e decidimos que tudo nele vai de certo modo libertar-nos dos nossos defeitos.
Muito antes de nos familiarizarmos com o ser amado, às vezes temos a impressão curiosa de que somos velhos amigos. É a beleza que faz nascer o amor, ou o amor que faz nascer a beleza? Eu amava Chloe porque ela era bela, ou ela era bela porque eu a amava? Rodeados por uma infinidade de pessoas somos levados a perguntar por que foi que o nosso desejo se fixou naquele rosto em particular, naquela boca, nariz ou orelha, por que é que a curva deste pescoço ou a cova daquela face corresponde tão claramente aos nossos critérios de perfeição. (...) As palavras eram as mais ambíguas de toda a linguagem, pois a coisa a que se referiam era dolorosamente isenta de significado estável. É certo que vinham do coração e tentavam representar o que lá lhes tinha sido dado ver, mas a verdade é que o amor é como uma borboleta rara e colorida, frequentemente observada, mas nunca identificada de forma conclusiva. (...) a origem de um certo tipo de amor está no instinto de fugirmos de nós próprios e das nossas fraquezas (...). Mas se o ser amado nos dá troco, somos obrigados a olhar para nós próprios e, desse modo, recordados dos motivos que nos levaram a amar. Se calhar não era bem o amor que nós queríamos, mas sim alguém em quem acreditar, mas como continuar a acreditar no ser amado a partir do momento em que ele acredita em nós?

5 comentários:

boleia disse...

da que pensar.. no minimo ;)
Bom ano!

M&M disse...

intenso, maravilhoso texto.
(já gora, parabéns também pela escolha musical)

Carla disse...

Prendeste a minha atenção. Vou adicioná-lo à lista de leitura :)

bigeoculto disse...

Olá!
E não poderá vir parar às minhas mãos por uns dias. Fiquei entusiasmada!
Até já!
Sandra

alexandrecastro disse...

olá deep
um bom assunto para pensar...!
beijinho