sábado, dezembro 09, 2006

um

Confesso: não gosto de Richard Bach, como não gosto de Paulo Coelho. Chamem-me preconceituosa, se quiserem... É óbvio que já os li, por isso posso dizer com propriedade que não gosto.
Há uns anos, contudo, fizeram sentido as palavras da página inicial de Um, de Richard Bach, que recebi de uma pessoa especial. Não sei ao certo onde pára essa pessoa, nem nunca soube claramente o motivo daquela oferta, mas é certo que, pelo menos uma vez por ano, ou uma em cada dois anos - já se passaram quase quinze! - abro o livro na primeira página e releio:
"Passámos por muito não passámos?
Quando nos conhecemos (...) eu era um piloto aviador fascinado pelo vôo, procurando significados por detrás dos instrumentos e da velocidade relativa do avião. (...) a nossa viagem levou-nos a uma vida sob a forma de uma asa de gaivota. (...) No entanto para ti, eu era um ser solitário, com o espírito repleto de rotas e altitudes, escondido atrás de uma cortina de palavras. E tinhas razão.
Finalmente, convenci-me de que te conhecia suficientemente bem para sugerir que as minhas aventuras podiam também ser as tuas, as mais felizes e as não tão felizes. Estás a começar a entender como é que o mundo funciona? Eu também. Tens-te sentido inquieta e só com o que aprendeste? Também eu. Procuraste durante toda a tua vida o teu único e grande amor? também o fiz e encontrei-o (...)."

10 comentários:

Dulce disse...

Gostar ou não de um autor nada tem a ver com preconceito, não achas?
De Paulo Coelho também não gosto (abro honrosa excepção para o livro "Verónica decide morrer"), de Richard Bach, exageros à parte, até gosto...

boleia disse...

:)
um bom natal! e um beijo grande ate janeiro!

pintoribeiro disse...

Bfsemana, abraço,

Anónimo disse...

Desculpar-me-á...mas este texto é uma "pepineira".
Sorry!

deep disse...

Dulce, talvez tenhas razão quanto ao ser ou não preconceito o facto de se gostar de um autor...


Boleia, um bom Natal também para ti. Até Janeiro.

pintoribeiro, bom fim-de-semana.

Anónimo, até posso "perdoá-lo" quanto ao facto de considerar o texto uma "pepineira", mas não sei se lhe perdoo o anonimato.

Bom fim-de-semana para todos.

Ana disse...

letras são papeis, letras no papel
para todos terem acesso à informação, uns retêm, outros não!
isto do anonimato e muito giro é, é é!!!
bjoca

TsiWari disse...

entendo-te perfeitamente.

também não embarco no PCoelho, escritor salvador de almas e afins.

*

deep disse...

Ana, no problem...

tsiwari, é exactamente por isso que não gosto de Paulo Coelho. Há tempos li um dos seus livros e apercebi-me que a base era uma história mais antiga que eu lera na "Tertúlia de Mentirosos - Contos Filosóficos do Mundo Inteiro". Se não lhe tinha antes grande "respeito", perdi-o por completo...

Para todos, um óptimo domingo. Bjs

Yashmeen disse...

Não és só tu - embirro com esses dois autores. Creio que qualquer pessoa que GOSTE e estude literatura consegue ver a pobreza de livros feitos de clichés. Agora é natural que lá pelo meio apareçam umas verdades.

gala disse...

Paulo Coelho foi uma desilusao para mim...aliás o ultimo livro ke comprei dele - a bruxa de portobello - está embrulhado para ser trocado num desses jantares de Natal que vão acontecendo durante o mes. Com azar ainda me calha a mim lol

beijinhos e boa quarta