segunda-feira, julho 10, 2006

só porque me ocorreu

("Garfos" - Luís Sanches)
Um dia, num restaurante, fora do espaço e do tempo, Serviram-me amor como dobrada fria. Disse delicadamente ao missionário da cozinha Que a preferia quente, Que a dobrada ( e era à moda do Porto) nunca se come fria. Impacientaram-se comigo. Nunca se pode ter razão, nem num restaurante. Não comi, não pedi outra coisa, paguei a conta, E vim passear para toda a rua. Quem sabe o que isto quer dizer? Eu não sei, e foi comigo... (Sei muito bem que na infância de toda a gente houve um jardim, Particular ou público, ou do vizinho. Sei muito bem que brincarmos era o dono dele. E que a tristeza é de hoje). F. Pessoa - Álvaro de Campos, Dobrada à Moda do Porto

8 comentários:

boleia disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
boleia disse...

e ocorreu-te muito bem...
;)

Araj disse...

só mesmo o Álvaro para ter esta tirada...


No meu jardim as árvores cresceram abruptamente e tornaram-se adulta fora do tempo...

Barão da Tróia II disse...

Boa escolha.

Rute disse...

Gostei. Pode ocorrer-te coisas destas mais vezes que eu não me importo nada de lê-las!

Beijinhos

alyia disse...

Conjunto poema/foto :) perfeito :)

deep disse...

Obrigada a todos pelas palavras simpáticas.
Bom resto de semana. Bjs

pinky disse...

que maravilha! as coisas que tu descobres!