quinta-feira, junho 15, 2006

Poema Pial

Casa Branca - Barreiro a Moita
(Silêncio ou estação, à escolha do freguês)
Toda a gente que tem as mãos frias
Deve metê-las dentro das pias.
Pia número UM,
Para quem mexe as orelhas em jejum.
Pia número DOIS,
Para quem bebe bifes de bois.
Pia número TRÊS,
Para quem espirra só meia vez.
Pia número QUATRO,
Para quem manda as ventas ao teatro.
Pia número CINCO,
Para quem come a chave do trinco.
Pia número SEIS,
Para quem se penteia com bolos-reis.
Pia número SETE,
Para quem canta até que o telhado se derrete.
Pia número OITO,
Para quem parte nozes quando é afoito.
Pia número NOVE,
Para quem se parece com uma couve.
Pia número DEZ,
Para quem cola selos nas unhas dos pés.
E, como as mãos estão frias,
Tampa nas pias!
Fernando Pessoa
Este texto, porque:
- dá uma imagem diferente daquela que construímos do seu autor;
- apesar de absurdo, ou por isso mesmo, resulta engraçado;
- lembra as lengalengas populares que me habituei a ler em criança e os "cadáveres esquisitos" (tradução não totalmente literal) dos surrealistas, embora anterior;
- Pessoa teria feito anos no dia 13 ( por isso o nome de Fernando António, como Santo António);
- está a chover e, pela janela, entra o agradável cheiro a terra molhada;
-...

6 comentários:

TsiWari disse...

concordo com todas as razões apontadas...


e, sobretudo, com a do cheiro a terra molhada.

Dani disse...

Sou fã de Fernando Pessoa e não conhecia este poema!

Achei mt engraçado, e subscrevo as suas razões!

Gostei mt do seu blog, parabéns!

boleia disse...

acreditas que nao conhecia tal coisa?! mas que está muito engraçado e surpreendente, está!!

pinky disse...

que foraaaaaaa! mais parece coisa de bocage..hahahahahah jokas bom resto de feriado

Mary Christmas disse...

O cheiro da terra molhada, ontem à noite, resfrescou-me também a alma...

deep disse...

tswari, benvindo. Felizmente, continua a sentir-se o cheiro da terra molhada que, da janela, chega misturado apenas com o chilrear dos pássaros.

dani, benvinda também e muito obrigada pelas palavras simpáticas.

boleia, quando conheci o texto, também fiquei surpreendida.

pinky, de facto a "loucura" que o texto transmite estaria mais conforme ao Bocage ou ao Alexandre o'Neill.

mary, sê também benvinda. Como têm sido raros estes momentos, também abri a janela e "deliciei-me" com esse cheiro.

Bom resto de feriado para todos.