sexta-feira, maio 12, 2006

todo o cais é uma saudade de pedra*

Há pouco mais de três anos comprei a casa onde habito. A decisão não foi fácil. O processo acabou por parecer-me menos difícil, quando senti que não estava sozinha. Viriam a habitar o prédio uma amiga de longa data e um casal também amigo, embora de menos anos. Nas primeiras reuniões de condomínio, respirava-se já uma certa cumplicidade, reforçada pela dificuldade em conseguir do vendedor algumas concessões e pelo proximidade de idades - curiosamente dei-me conta de que era a mais velha. Apesar de ter decorrido pouco tempo, abandonaram o prédio, por circunstâncias várias, os moradores de três apartamentos (50%). Porque começava a saborear, ainda que de forma reservada (mais por temperamento do que por desconfiança), a cordialidade que se instalava, entristeceu-me vê-los partir.
A minha morada da blogosfera tem menos dias, mas também aqui fui conquistando vozes cúmplices, de que sinto a falta quando falham na regularidade a que me habituaram e nas quais busco palavras de incentivo quando o alento falta ou uma gargalhada contagiante quando me apetece rir. Aqui, como no meu prédio, fui assistindo a abandonos que me causaram tristeza, mais ainda porque sei que não encontrarei o trilho por que seguiram.
*Primeiro verso da "Ode Marítima" de Fernando Pessoa

6 comentários:

MPR disse...

Mas por cada desistência há um outro que não desistiu e um novo para descobrir...

aidil disse...

E... Há os que ficam sempre, para sempre mesmo...

boleia disse...

por cá continuamos... há sempre vizinhos novos! Temos que saber faze-los nossos amiigos :)

couvinha portuguesa disse...

Olá.espero que tenhas querido dizer que não gostas de porquinhos mortos...e não dos porquinhos vivos, que são seres sensíveis como nós.
O meu post parece cruel, mas sou vegetariana e não só. Quanto ao teu triste texto, julgo que ainda te entristeces com os "abandonos",pq ainda não aceitaste a efemeridade da vida e dos laços.Se privares com ela (efeneridade)verás que td se torna bem mais fácil e menos triste:)bom fim de semana

alyia disse...

A vida é isso também: um vai e vem

xana disse...

bonito, tão bonito, deep...
tão tão bonito...