segunda-feira, janeiro 02, 2006

Recomeço

Porque não sou poetisa, embora por vezes tenha a pretensão de o ser, "roubo" ao poeta Miguel Torga as palavras que gostaria que servissem de mote para este ano que, fresquinho, espera que o vivamos de cabeça e coração limpos. Sísifo
Recomeça...
Se puderes,
Sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro,
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.
E, nunca saciado,
Vai colhendo
Ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar
E vendo,
Acordado,
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças.
in Diário XIII (1983)

7 comentários:

Pagan disse...

Podes não ser poetisa (como dizes), mas se sentes a poesia em ti então és poeta, coisa que nem todo o arquitecto de versos pode dizer. Beijos com amizade.

alyia disse...

Torga tem poemas lindos.

Um bom 2006 para ti

Carriço disse...

Recomeço com os votos de um Feliz 2006, então! :)

Mas, como se recomeça algo que nunca se terminou? ;)

Saudações

Nilson Barcelli disse...

Roubas e roubas muito bem.
E que de nenhum fruto queiras só metade em 2006.
Beijinhos.

deep disse...

Pagan, a poesia pode ter muitas formas... afinal "de poeta e de louco todos temos um pouco" (será assim o adágio?).
Alya, Torga é, de facto, um dos muitos poetas portugueses que vale a pena conhecer!
Carriço, talvez possamos falar mais em continuidade...
Nilson, deitarei fora apenas a parte podre de alguns frutos...

Para todos, mais uma vez, um ano de 2006 repleto de momentos bons!

gala disse...

acho ke está muito bem "roubado" beijinhos

deep disse...

Olá, Gala! Gosto de te ver por cá.
Beijinhos