segunda-feira, janeiro 23, 2006

à cabeceira

"Não posso concordar com os pintores que, desdenhosamente, clamam que o leigo nada entende de pintura e que a melhor maneira de mostrar apreço pelas suas obras é através do silêncio e do livro de cheques. É uma visão errónea e grotesca (...): a arte é uma manifestação da emoção e a emoção fala uma linguagem que todos entendem."
(Maugham, Somerset, A Lua e Cinco Tostões, Edições Asa)

7 comentários:

Nilson Barcelli disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nilson Barcelli disse...

Estou de acordo.
Se a arte de pintar só chegasse aos iniciados, não chegava a lado nenhum. Porque é muito frequente os pintores nunca gostarem do que os outros fazem... (pelo menos os que conheço).
Mas também acho que certa pintura, a mais abstraccionista, tem alguma coisa que se lhe diga. O Picasso, por exemplo, chegava à pintura final através de um longo caminho de esboços (chegou a 200, 300...), sendo que esse caminho era percorrido com uma espécie de lógica pessoal, onde a realidade vai tomando progressivamente outras formas. A leitura final pode, por isso, ser literalmente distorcida.
Beijinhos.

Desambientado disse...

Quantas vezes me apeteceu dizer isso. Não sabia era como.

Miguel disse...

Certo! Não trabalha a arte as nossas emoções? Então?

gala disse...

..concordo com o Nilson...e já reparaste num coisa curiosa? só depois da morte é ke os pintores ganham fama? aconteceu com Van Gogh,toda a gente detestava a sua pintura demasiado infantil ! Pk será? Nos escritores acontece um pouco isso tb, qts não morreram na miséria?

pinky disse...

concordo inteiramente.
a arte é para todos, e por todos deve ser partilhada, a interpretação que se dá a cada peça é de cada um e depende de quem a vê.
os artistas que não queiram ser interpretados e que não queiram que outros apreciem as suas obras só por não serem letrados, não deviam sequer expor.

Carriço disse...

Não percebo muito de pintura, mas dou sempre o meu palpite. Se me agrada a mim, pode não agradar a outros, mas isso já é outra conversa!

Saudações